Alcachofra

A alcachofra é uma planta perene que pode permanecer no mesmo lugar dois ou três anos, considerada como bi-anual ou tri-anual. O 90% da produção mundial tem lugar na bacia mediterrânea, especialmente na Itália, França e Espanha, onde se produz 80%.

Denominação

La alcachofa es una planta de la que se consume la flor. Se conoce con el nombre común de Alcachofa, Alcachofas, Alcaucil, Alconcil, Cardo de comer, pero su nombre científico o latino es Cynara scolymus. Pertenece a la familia de las Compuestas al igual que el cardo, la endibia, y la achicoria.

Origem

A alcachofra é uma planta da cual se consome a flor. É conhecida com o nome comum de Alcachofra, mas seu nome científico ou em latim é Cynara scolymus. Pertence à família das Asteraceae, assim como o cardo, a endívia, e a chicória.

Variedades

  • Branca de Tudela: possui brácteas (escamas ou pencas) verdes, capítulo (conjunto brácteas) de forma ovóide, precoce. É a mais consumida em Espanha.
  • Violeta de Provença: Brácteas violáceas, capítulo muito desenvolvido. Em Espanha cultiva-se esta variedade para a exportar para França.
  • Violeta de Palermo, Romana grossa, precoce da Catania, são variedades italianas.
  • Camus de Bretanha, Branca de Hierois são francesas.

Qual é seu aspecto?

  • Cor: quando está recém colhida, o talo e as folhas têm uma cor verde claro brilhante.
  • Forma: a flor ou inflorescência da planta é a parte comestível. Na base e no interior encontraremos a parte mais amolecida, enquanto à medida que as camadas se sobrepõem,vão ficando mais fibrosas.
  • Tamanho: a planta da alcachofra pode chegar a medir uns 2 m de altura. As folhas medem normalmente mais de 60 cm, enquando que a alcachofa em si, mede de entre 10 e 15 cm.
  • Peso: o peso da alchofra dependerá da variedade que iremos usar, podemos encontrar exemplares desde 50 a 100 g ou mais.
  • Sabor: o sabor é ligeiramente amargo com um toque final doce que faz com que o sabor seja peculiar.

Modo de preparação e uso

Crua: a alcachofra crua tem um sabor agradável. É a forma em que melhor se aproveita o seu teor em vitaminas e minerais. Para este consumo são utilizados os corações da alcachofra tenra em saladas temperadas com azeite e sumo de limão.

No forno e grelhada: ficam deliciosas, mas no processo de assadura não se deven cortar as pontas das folhas, pois estas contribuem para manter a humidade da alcachofra.

Cozidas: o melhor é cozer as alcachofras ao vapor, pois desta forma conservam-se a maior parte dos seus minerais e vitaminas. Se preferimos cozê-las na água, é preferível aproveitar a água do cozimento para caldo ou sopa.

Para utilizar as alcachofras é necessário cortá-las. Seguiremos os seguintes passos:

  1. Arrancamos as duas ou três camadas de folhas.
  2. Cortamos o talo e as pontas das folhas ( assando-as ou não).
  3. Regà-las com sumo de limão sobre elas ou esfregar com meio limão para evitar que escureçam pela oxidação.

Quando as podemos encontrar e em que condições?

O clima é um factor fundamental no correcto desenvolvimento da alcachofra. É uma hortaliça de Inverno (de estação fria) e cresce no seu maior esplandor a temperaturas matutinas de 24ºC e nocturnas de 13ºC (O tempo frio danifica facilmente a alcachofra, a temperaturas próximas ou abaixo do ponto de congelação (0º).

Os climas cálidos e secos provocam que as folhas do fruto (brácteas) tendem a abrir rapidamente diminuindo bruscamente a moleza da parte comestível e a consistência do fruto. Neste caso, as alcachofras têm um sabor amargo e aparentemente são muito pouco atractivas.

 

O melhor exemplar e sua conservação

Para escolher correctamente uma boa alcachofra, devemos considerar que o melhor exemplar terá uma gema compacta e bem formada, de uma cor verde típica, um corte de talo liso e uniforme. As gemas da alcachofra devem parecer pesadas em relação ao seu tamanho e o talo deve estar cortado a 2,5 – 3,8 cm da base.

As alcachofras podem chegar a conservar em refrigeração, cobertas de plástico perfurado, até 21 dias, embora sempre seja preferível consumi-las antes. Depois dos 21 dias a qualidade sensorial e visual deterioriam-se considerávelmente.

 

Características nutritivas

Do grupo dos legumes e hortaliças, a alcachofra é uma das que têm um menor teor de água, representando 87,9% do seu peso. A gordura mal chega a 0,1% do seu peso, pelo que a quantidade restante deve ser formada à base de fibra, hidratos de carbono, proteínas e outras substâncias. Contém uma quantidade considerável de proteínas (2,27%), hidratos de carbono (7,11%) e fibra (2%), sendo apreciável o teor de outras substâncias responsáveis pelos efeitos benéficos da alcachofra.

 

Minerais: O mineral encontrado em maior proporção nas alcachofras é o potássio, mas é necessário destacar a presença de outros minerais em quantidades importantes como o magnésio, fósforo e cálcio.

Vitaminas: O conteúdo em vitaminas não é destacável com respeito a outras hortaliças, embora contenha quantidades importantes de B1, B3 e vitamiana E, estas duas últimas em menor proporção.

 

Em que nos pode ajudar?

Considerando a sua composição nutritiva podemos extrair uma certa relação das alcachofras com a saúde.

 

Diurético: favorece a remoção do liíquido sobrante no organismo, assim como de toxinas e outras substâncias como o ácido úrico.

Antidiabético: diminui os níveis de glicose no sangue e ajuda a controlar a diabete.

Protector hepático e biliar: protege o fígado, ajuda a sua recuperação em caso de patologia e favorece a função biliar.

Cardio-saudável: devido á sua especial composição é capaz de produzir uma redução significativa do colesterol no sangue, tensão arterial e aterosclerose.

Para os olhos: como uso externo, o líquido resultante do cozimento das alcachofras, actua como protector dos olhos e pode utilizar-se como colírio em caso de secura dos olhos.

 

E se abusamos do uso?

A alcachofra não é de modo algum tóxica, mas o seu uso excessivo não é aconselhável em lactantes, pois parece reduzir a produção de leite.

E que mais?

Como remédio caseiro, é usado o suco das folhas frescas da alcachofra. É misturado com ,àgua açúcarada ou vino para disfarçar o intenso sabor amargo. Desta forma é usada popularmente nos indivíduos diabéticos para tentar estabilizar os níveis de insulina assim como em patologias hepáticas.