Nabo

Embora actualmente não seja uma das hortaliças de maior consumo humano nem na Europa nem no nosso país, durante séculos foi um alimento imprenscíndivel e básico em todo o continente.

Denominação

É conhecido com o nome comúm de Nabo de mesa, Nabiça, mas seu nome científico ou latim é Brassica napus var. rapifera. Pertence à família botânica das Brassicaceae junto a couve-flor, a couve, o brócolo, o agrião e o rabanete.

Origem

Acredita-se que o nabo é derivado de plantas que cresciam silvestres no norte da Europa e Escandinavia, embora também acredita-se que poderiam ser originárias da Ásia Central, desde então foi extendido por todo o mundo.

Desde há mais de 4.000 anos foi um alimento básico para alguns grupo étnicos na Europa, especialmente antes de introduzir a batata no continente.

Variedades

  • Nabo Bola de Neve: nabo redondo, pequeno.
  • Nabo Bola de Ouro: redondo, amarelo dourado, tamanho médio.
  • Nabo Branco Globo: nabo de polpa branca e compacta, forma oval ou globosa.
  • Nabo Branco Plano Precoz: de forma discoidal, polpa tenra.
  • Nabo Redondo Virtudes: nabo de raíz cilíndrica terminada em ponta.
  • Nabo Croissy: longo, branco, precoz.
  • Nabo Negro Alsacia: nabo longo, casca preta mas polpa branca.
  • Nabo Chidre de Boi: longo, têm a cor da pele de boi na parte da raiz que fica por fora da terra, a raiz enterrada é branca.
  • Nabo Milão: raiz achatada, pescoço violeta e parte enterrada branca.

Qual é seu aspecto?

  • Cor: têm os de polpa branca ou amarelada, com uma pelicula externa de cor amarela ou branca, que em ocasiões podem ser derivadas a vermelho ou púrpura.
  • Forma: dependendo da variedade, assim terá uma forma ou outra (mais alongada ou mais achatada).
  • Tamanho: de uns 10 a 15cm dependendo da variedade.
  • Peso: normalmente pesam de 100 a 200g.
  • Sabor: leve sabor açúcarado, as vezes picante.

Modo de preparação e uso

  • Raiz a raiz do nabo se consome cozida junto a legumes e arrozes, formando parte de pratos típicos de certas regiões do mediterrâneo.
  • Folhas tenras: a raiz do nabo se consome cozida junto a legumes e arrozes, formando parte de pratos típicos de certas regiões do mediterrâneo.

Quando as podemos encontrar e em que condições?

A época onde é fácil encontrar bons exemplares de nabo, é de setembro a dezembro, sendo este vegetal muito adaptável a climas frios.

O melhor exemplar e sua conservação

O exemplo de um nabo de qualidade será de tamanho pequeno ou médio, de casca lisa e forma dependendo da variedade, firmes e pesados em comparação com seu tamanho.

Para uma correta conservação dos nabos, é preferível separar a raiz das folhas. Se conservará em embalagens de plástico perfurados à temperatura de refrigeração, condições onde poderão ser mantidas estes vegetais de uma a três semanas. Além disso, não é aconselhável lavar os nabos até serem consumidos com a finalidade de evitar as perdas dos seus nutrientes.

Características nutritivas

O nabo é um vegetal com um teor energético muito baixo, que supõe aproximadamente 27 kcal/100g. Contém uma grande quantidade de água, chegando até ao 92%, fazendo que seu teor em carboidratos, lipidos e proteínas não será muito significativo. Fornece somente um 0,1% de gordura e um 0,9% de proteínas, enquanto que os carboidratos chegam ao 4%.

Minerais: de seu teor em mineral destacaremos o potássio por ser encontrado em maior proporção, seguidamente pelo magnésio, cálcio, ferro, sódio e fósforo. E em menor proporção, embora não seja o menos importante, encontraremos quantidades apreciáveis de zinco.

Vitaminas: em quanto ao fornecimento de vitaminas, encontraremos quantidades significativas de todas, exceto de vitamina B12 e de vitamina A e E. Destacaremos a vitamina C por ser encontrada em maior proporção, seguidamente em ordem decrescente dos folatos, vitamina B6, niacina, vitamina B1 e B2.

 

Em que nos pode ajudar?

O nabo não é um alimento que tenha uma longa tradição como alimento ou de planta medicinal, embora tenha sido usado há milhares de anos como alimento básico em toda a Europa. Por isso, lhe contaremos algumas patologias para as que tradicionalmente foi considerada útil o consumo do nabo, como são por exemplo:

  • Gota: o consumo habitual do nabo, facilita a depuração do sangue, favorecendo a eliminação de ácido úrico e outros restos do metabolismo. Portanto, é recomendável seu consumo em pacientes com gota e reumatismo articular.
  • Obesidade: devido a seu escasso fornecimento de gordura e energia, a seu alto teor de micronutrientes, e a sua capacidade saciante e digerível, o nabo é um alimento recomendado em dietas de emagrecimento (sempre que a obesidade não seja de causa tiróideia).
  • Hipertiroidismo: o nabo têm a capacidade de endentecer o funcionamento da glândula tiróide e com ela, o metabolismo, portanto é recomendável seu consumo naquelas pessoas que padeçam hipertiroidismo.

E se abusamos do uso?

Não se conhece efeitos tóxicos derivados de um consumo excessivo de nabo. Mas é conveniente saber que contém substâncias capazes de deixar mais lento o funcionamento da glândula tiróide, pelo que não se recomenda seu consumo habitual em pessoas hipotiróideias, não supondo nenhum risco para as pessoas com um funcionamento glândular normal.

E que mais?

As folhas do nabo são denominadas Grelos-de-nabo. Embora aparentemente não haja parecidos, se trata uma verdura nutritivamente mais rica que o nabo em si, sendo além disso a verdura mais rica em cálcio. Mas também contém uma importante quantidade de ácido oxálico, que para que esta substância interfira o menos possível na biodisponibilidade do cálcio, será conveniente cozer bem os grelos-de-nabo em abundante água, diminuindo assim seu fornecimento em ácido oxálico.