09Jul.

A dieta mediterrânea

la dieta mediterránea86A alimentação e a nutrição são assuntos que interessam muito à um grande público. Somente há que se dirigir a qualquer banca de revistas e ver o que está exposto: abundam as revistas com artigos sobre dieta de métodos rápidos para emagrecer e receitas de cozinha.

Claro que, todos temos uma grande opinião sobre nossa comida, esse exemplar único da denominada "dieta mediterrânea". Só devemos começar a perguntar e verão: os ingleses comem horrivelmente, e também os americanos, isso por não falar da comida francesa. Nós não: temos azeite de oliva, presunto de pata negra, laranjas, verduras... sempre o melhor!

 No entanto, os dados da estadistica são reveladores: na Espanha aumenta a obesidade (de forma muito preocupante entre as crianças) e a diabete e as doenças cardiovasculares preocupam as autoridades sanitárias. E é que, pouco a pouco, nossa cultura culinária foi se transformando: Comemos fora de casa constantemente em lugares de comida preparada rápida, nossos filhos trocaram o lanche para o colégio, por um bolinho industrial, não comem frutas na sobremesa e ingerem um queijinho rico em gordura. Ou seja, quando o resto do mundo ocidental se revaloriza a denominada dieta mediterrânea, que incluiría preferentemente cereais, legumes, peixes e azeite de oliva, nós vamos abandonando paulatinamente seu esconderijo.

Em todo caso, temos a certeza de que o cidadão estará interessado em correctos, contrastados e simples esquemas para se alimentar equilibradamente. Estes pontos podem se orientar ao respeito:

  • Usa os legumes na sua dieta: pelo menos duas ou três vezes por semana.
  • Consuma um prato diário de verdura e todas as saladas que queira... e não esqueça de suas duas peças de frutas e suco de laranja.
  • Aprende a ler e a "retirar" o conteúdo das etiquetas dos seus alimentos.
  • Se seu filho almoça no colégio, vigie os menus. Peça sua valoração nutritiva e tente completar a dieta com café da manhã ou jantar adequados.
  • Se você é obeso, jamais faça dietas de maneira incontrolada e repetitiva. Pense que a verdadeira solução passa pela re-educação alimentar .
  • Lembre-se: uma boa dieta nunca é restritiva. Não se trata tanto de proibir alimentos como de ser rázoaveis, ingerindo alimentos diferentes em quantidades adequadas ao nosso modo de vida e caracteristicas pessoais.

Lembrem-se que quando falamos de uma dieta mediterrânea, estamos falando em soma da cultura milenar do nosso país: um entorno onde os alimentos trazidos pelos fenicios, romanos, árabes... cristalizaram na nossa gastronomia.

Então vocês já sabem: comprar no mercado alimentos suplementarios com ácidos graxos, omêga 3, com fibra, com antioxidantes, com fitosteroles... podem estar bem, mas tudo isso está à sua disposição nos alimentos da dieta mediterrânea e com um sabor dificilmente superáveis: frutas, hortaliças, azeite de oliva, legumes e frutos secos.

Ter na mente estas linhas na hora de programar nossas comidas, está comprovado que nos tranformam em pessoas mais saudáveis e, que possivelmente seja mais importante, satisfeitas e felizes.