Couve-flor

A couve-flor é uma hortaliça cujo uso está extendido por todo o mundo. Da planta se ingere a flor que forma uma cabeça.

Denominação

É conhecido com o nome comúm de Couve-flor, mas seu nome científico ou em latim é Brassica oleracea var. botrytis. Pertence à família das Brassicaceae, entre as que também se encontram o brócolo, o nabo, o agrião e o rabanete.

Origem

Acredita-se que os tipos cultivados de Brassica oleracea foram originários a partir de um único progenitor. E foi levado desde as costas atlánticas até o Mediterrâneo. Desta forma, mesmo que a evolução e selecção dos distintos tipos cultivados teve lugar no Mediterrâneo oriental, a espécie a partir da qual derivaram seria B.olaracea e não as espécies silvestres mediterrâneas.

 

Num principio o cultivo da couve-flor se concentrou na peninsula italiana, expandindo-se ao resto da bacia mediterrânea durante o império romano. Durante o século XVI seu cultivo se extendeu na França, e apareceu na Inglaterra em 1586. No século XVII, seu cultivo já estava generalizado em toda Europa. Finalmente, durante o século XIX seu cultivo se extendeu a todo o mundo.

 

Variedades

  • Extraprecozes: De Erfurt (cabeça branca abombada e peso aproximado 1, 5 Kg), Bola de Neve (cabeça esférica), Succes (esférica), Catalina (tipo oco), Master (cabeça redondeada e compacta), Brio (redondeada e compacta), Preciosa (branca, redonda, compacta), Eureka (branca, esférica e grão duro), Presto (branca, compacta e redondeada), Veralto (compacta, esférica, grão fino), Primura (grande, branca, compacta, dura), Fortados (abombada, branca, compacta e grão duro).
  • Precozes: Suprimax (cabeça compacta, esférica, grão fino e muito branca), Idol (cabeça tamanho médio, branca, compacta e grão duro), Supernova (tamanho médio, compacta, grão duro e esférico), Selandia (grande, compacta e grão duro), Avans (branca, compacta, grão duro e tamanho grande), Dominant (tamanho mediano-grande, redondas e grão duro), Lecerf (grande, branca e compacta), Rhonia (esférica, tamanho médio e grão fino), Pava de Navidade (grande tamanho) e Kibo (grande, muito branca, compacta e grão duro).
  • Meia Estação: Primus (grande, esféricas e brancas), Duseto (grão duro), Camberra (tamanho médio e grão duro), Frankfurt (grande branca, compacta e grão fino e duro), Danesa gigante (redondeada e resistente ao frio) e Nápoles gigante (muito grande, brancas, abombadas e grão duro).
  • Tardías: S. José (cabeça grande e oca), Quaresma (grande, branca e grão fino e duro), Metropolitana (grande e grão duro) e Ebro (grande, esférica e grão duro).

Qual é seu aspecto?

  • Cor: a cor depende da variedade da couve-flor. Podemos encontrar variedades brancas, amarelas-verdes, e vermelhas-roxas.
  • Forma: a forma da couve-flor é bastante característica. A parte comestivel da planta é a flor, ou as flores. Esta formada por uma grande quantidade de flores conjuntas.
  • Tamanho: mede uns 20-30 cm de diâmetro.
  • Peso: dependendo da variedade o peso da couve-flor será diferente, podendo chegar até os 2 kg.
  • Sabor: dentro das couves, a couve-flor é a que tem o sabor mais suave.

Modo de preparação e uso

  • Crua: pode ser consumida crua na salada, sempre e quando esteja bem tenra.
  • Cozida: é a forma que normalmente é consumida. Pode ser consumida cozida, cozida ao vapor, assada, frita, estofada ou gratinada.

Independentemente se vamos consumi-la crua ou cozida, a couve-flor precisa de certa preparação para ser utilizada:

  • Cortar a base da couve-flor.
  • As folhas verdes que se encontram na base podem ser utilizadas como verdura ou serem removidas.
  • Separar e cortar os pequenos ramos de inflorescencias que forman a couve-flor.
  • Lavar os fragmentos de couve-flor e cozé-las ou adicioná-las a salada.

Quando as podemos encontrar e em que condições?

A couve-flor é um vegetal de estação fria e é mais dificil de ser cultivada que outros membros da sua mesma familia. Pelo que a encontraremos de preferência no outono e no inverno. As couve-flores são um pouco mais sensíveis ao frio que o brócolo, já que aceitam pior, as baixas temperaturas (0ºC), afetando-la negativamente as altas temperaturas (>26ºC). Desta forma a temperatura óptima para seu desenvolvimento oscila entre 15.5 – 21.5ºC.

O melhor exemplar e sua conservação

O melhor exemplar de couve-flor é aquela que tem uma cabeça firme e compacta de cor branca a branco-cremoso (se esta variedade é branca) rodeadas por uma coroa de folhas verdes, turgentes e bem cortadas. Outrus indices de qualidade é o tamanho, a ausência de amarelamento devido a exposição ao sol, a ausência de defeitos devido ao manuseio e apodrecimentos e a ausência de granulosidades.

Para que chege a ser ingerida a couve-flor em corretas condições sensoriais, é necessário conservá-la durante mais de 3 semanas. Devem ser armazenadas em refrigeração, a uns 0ºC dentro de embalagens de plástico perfurados.

 

Características nutritivas

A couve-flor é uma hortaliça com um valor energético baixo, que apresenta aproximadamente 25 kcal/100g. Como é habitual nas hortaliças, o componente maior da couve-flor é a água, que pode chegar ao 92%. Seu conteúdo em hidratos de carbono é escasso (3,1%), sendo destacável seu teor em fibras (2,1%). Contém proteínas em um 2,2% e quantidades inapreciáveis de gordura.

Minerais: de seu teor mineral destacaremos o potássio por ser encontrado em maior proporção. Mas além disso podemos citar outros minerais que encontram em quantidades muito importantes, quase tanto como o potássio, e que são vitais para o correto funcionamento do organismo: ferro, magnésio, cálcio, zinco e fósforo. Não somente a couve-flor contém minerais de grande importância, senão que é quase imperceptível o sódio na sua composição.

Vitaminas: em quanto ao fornecimento de vitaminas, destaca o elevado conteúdo de vitamina C sobre o resto de componentes vitaminicos. Mas além disso, esta hortaliça tem uma grande importância os folatos. Encontraremos quantidades significativas de vitamina B1, B2, niacina e B6, não havendo vitamina A e E.

 

Em que nos pode ajudar?

Como falamos antes, o uso da couve-flor está extendido por todo o mundo, sendo conhecida, além disso, por certos efeitos beneficiosos sobre a saúde, dos quais destacamos:

  • Problemas digestivos: a couve-flor contém vitaminas e minerais que são favoráveis para o correto funcionamento do aparelho digestivo. É muito mais digestivel que o resto das couves, pelo que pode ser utilizado em caso de gastriste, úlceras e dispepsia. Além disso, devido ao seu conteúdo de fibras, actua como normalizados do trânsito intestinal, pelo que se indica em casos de prisão de ventre e cólicas.
  • Cardio-saudável:este efecto deve-se a escassa presença de sódio e gorduras e a elevada presença de potássio. Pelo que se recomenda em caso de cardiopatias, hipertensão e arteriosclerose.
  • Obesidade e diabete: a couve-flor produz uma importante sensação de saciedade, mesmo que forneça 25 kcal/100g e tem uma proporção muito baixa de carboidratos, pelo que é ideal para obesos e diabéticos.
  • Cálculos renais: a couve-flor ajuda a eliminar liquidos restantes do organismo e aquelas substâncias de resíduos como a ureia. Por isso, é recomendável sua utilização em caso de insuficiência renal, artrite, gota, edemas e cálculos renais.
  • Anticanceroso: a couve-flor, igual que o resto das brassicaceae, se encontram actualmente em fase de estudo, já que foi relacionado seu consumo com certa acção anticanceroso.